Segundo previsão divulgada anteriormente, a Câmara de Palmas já deverá passar a funcionar no novo prédio a partir deste domingo, dia 1º de março. A Casa de Leis da Capital ficará, portanto, em nova localização, na quadra 104 Norte. O aluguel do local, no entanto, agora está sob investigação do Ministério Público Estadual, uma vez que este, constatou que a contratação foi feita sem licitação com a Marajó Empreendimentos, empresa que pertence a Marilson Farinha, identificado pelos promotores como padrasto de Franklin Douglas, o dono do Grupo Exata. Douglas é investigado pela Polícia Federal na Operação Replicantes, que apura fraudes em contratos do Governo do Estado com gráficas. Sobre o assunto, a Câmara afirmou por meio de nota que a contratação foi feita sem licitação porque era necessário encontrar um imóvel que comportasse toda a estrutura de dezenove gabinetes, presidência e mais a área administrativa. O contrato para aluguel da nova sede foi assinado no valor de R$ 120 mil, mas após negociação teria ficado em R$ 95 mil mensais. Segundo a Câmara, esse valor é R$ 300 mais caro que a sede atual, na Avenida Teotônio Segurado. O legislativo palmense teve que fazer a mudança, pois, o atual prédio pertence a Paschoal Baylon, ex-prefeito de Silvanópolis que foi condenado por irregularidades durante a gestão. Baylon está impedido de fechar contratos com o poder público.