CBN Tocantins
BAIXA COBERTURA DE VACINAÇÃO | 10 de Julho de 2018
Doenças erradicadas ou controladas podem reaparecer por falta de vacinação
Nailana Thiely/ASCOM UEPA
foto

Com exceção da vacina BCG, todas as outras vacinas indicadas para crianças de 0 a 1 ano de idade estão com cobertura abaixo do recomendado pelo Ministério da Saúde em Palmas. Os dados são da Central de Vacinas da Secretaria Municipal de Saúde. A situação mais preocupante é da vacina Pentavalente, que previne contra diversas doenças que estão sob controle no país, como difteria, tétano, coqueluche e hepatite B. De acordo com os dados da Semus, em 2018 apenas 73% do público-alvo foi vacinado, quando a indicação mínima do Ministério da Saúde é 95% de imunização. Em 2017 o índice foi um pouco maior, 77%, mas ainda assim abaixo do recomendado. Segundo a enfermeira da Central de Vacinas do Município, Juliana Araújo um conjunto de fatores contribui para a cobertura insatisfatória. O problema de distribuição com a vacina que previne a meningite começou em maio deste ano, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, quando além do atraso na entrega, o Estado passou a enviar apenas 20% da quantidade necessária para suprir a demanda da capital. Nos últimos três meses, quando deveria ter sido entregue cerca de 6 mil doses, foram enviadas apenas 400. O resultado disto é uma fila de mais de 1.000 crianças de até um ano de idade aguardando a imunização contra a doença. O problema no abastecimento também reflete no baixo índice vacinal contra a meningite registrado até o mês passado em Palmas, apenas 68%. Em 2017, a cobertura chegou a 81%. A recomendação mínima do Ministério do Ministério da Saúde de 95%.  A vacinação é uma forma de garantir a segurança da população e evitar a reintrodução dos vírus. No mês passado o Programa Nacional de Imunização divulgou os índices de cobertura das vacinas em todo o território nacional e emitiu um alerta para o reaparecimento de doenças até então controladas no país. Os dados de 2017 revelaram o pior resultado dos últimos 16 anos. Em tempos onde diversos órgãos têm se reunido para combater as falsas informações divulgadas na internet.

 

A reportagem da CBN Tocantins procurou a Secretaria de Estado da Saúde para esclarecimentos acerca do repasse insuficiente de doses das vacinas contra meningite. Por meio de nota, a Ses Tocantins informou que desde o começo deste ano o Ministério da Saúde tem feito o repasse abaixo do solicitado pelo Governo do Estado e que na última nota informativa enviada à secretaria o órgão nacional afirmou não ter previsão para a regularização da oferta. Finalizou dizendo que tão logo as doses sejam enviadas para o Estado, elas serão repassadas para o município.

O Ministério da Saúde, também por meio de nota, disse que mantém a distribuição de vacinas em todo o país e trabalha para a regularização dos estoques no que chamou de “casos pontuais”. Informou que a vacina contra a meningite está sendo distribuída de forma reduzida por casa de atrasos na entrega da fórmula por parte do laboratório produtor da vacina, mas que a previsão é que a situação seja normalizada no mês que vem. Ainda segundo consta na nota enviada, o Ministério da Saúde orienta os municípios com estoque reduzido a fazer o agendamento da vacinação de acordo com a disponibilizada das doses. Neste mês de julho, segundo o órgão nacional, o Tocantins deve receber 4 mil e 200 doses da vacina contra meningite, quantidade ainda reduzida.

Leia também

Publicidade
Enquete

O que você acha do Escola sem Partido?

  • Sou a favor
  • Sou contra
  • Não conheço o projeto, mas gostaria de saber mais sobre