CBN Tocantins
MONITOR DA VIOLÊNCIA | 20 de Março de 2019
Primeiro trimestre de 2019 é o menos violento dos últimos dois anos
Foto: Banco de imagens / Pixabay
Foto

O primeiro trimestre de 2019 tem apontado uma redução das mortes violentas no Tocantins. A média mensal de homicídios saiu de 23 em 2017, passando por 28 no ano passado e chegando a 17 mortes por mês até esta segunda-feira. Quando a comparação é somente entre 2018 e 2019, a redução chega a quase 50%. Os dados são da Polícia Militar e contabilizam apenas aqueles crimes em que as pessoas morreram no local atendido pelas guarnições. Mortes que ocorrem em unidades de saúde ou a caminho delas não entram na contagem da corporação. O Policial Militar Gleidison Antônio Carvalho, destaca que a maior parte das mortes está relacionada ao tráfico de drogas e as principais vítimas são homens.

Somente neste ano no Tocantins, pelo menos 53 pessoas foram assassinadas. No mesmo período do ano passado a Polícia Militar tinha registrado 87 homicídios. Nos anos de 2017 e 2018 houve uma estabilidade no número de crimes desse tipo que foram registrados pela Polícia Militar. Enquanto em 2017 foram 327 vítimas de homicídio que tiveram ocorrências atendidas pela PM, em 2018 foram 328. Além da análise por quantitativo, a Polícia Militar também faz uma análise baseada na relação entre a população das cidades e a quantidade de crimes registrados. Santa Tereza do Tocantins, com uma população de cerca de 2.500 habitantes, aparece em primeiro lugar do ranking de cidades. Palmas ocupa a 23ª posição e Gurupi a 24ª posição.

A corporação responsável pela investigação dos crimes é a Polícia Civil. Os números de homícidios registrados pela Secretaria de Segurança Pública podem ser maiores que os fornecidos pela Polícia Militar, uma vez que a corporação faz o acompanhamento de todos os casos, inclusive daqueles em que a vítima morre depois de receber socorro.

Leia também

Publicidade
Enquete

O que você acha do Escola sem Partido?

  • Sou a favor
  • Sou contra
  • Não conheço o projeto, mas gostaria de saber mais sobre