Nas eleições deste ano, o TSE, Tribunal Superior Eleitoral, em parceria com outros órgãos de fiscalização, vai analisar suspeitas de uso de dinheiro vivo para caixa 2. Também serão fiscalizados  a condição financeira das pessoas físicas doadoras e a capacidade operacional dos fornecedores de bens e serviços destinados à campanha. O trabalho de fiscalização da Justiça Eleitoral  será feito a partir das informações declaradas pelos candidatos nas suas prestações de contas e haverá um compartilhamento de informações da Justiça Eleitoral com outros órgãos do Estado, como a Receita Federal, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras e o Ministério Público.